#Dicas

Aprenda a fazer marketing jurídico

A forma como fazemos negócios está mudando. Com a internet, os hábitos de consumo e as relações entre clientes e profissionais são outros. Isso quer dizer que nunca fez tanto sentido investir em marketing quanto nos últimos anos.

Essas mudanças chegam para todas as áreas do mercado, inclusive para as mais tradicionais, como a advocacia. A internet possibilita que os escritórios e seus advogados tenham mais visibilidade e eles passam a competir pela atenção e pela escolha dos clientes por meio de sites e redes sociais.

Quanto mais se trabalha a sua imagem e a do seu escritório, melhor é a sua reputação entre clientes e concorrentes. Neste contexto de competitividade, surge o marketing jurídico, uma técnica que busca fortalecer a marca e a imagem de advogados e seus escritórios no ambiente digital respeitando as diretrizes do Código de Ética e Disciplina da OAB.

O marketing jurídico precisa de planejamento e estratégia alinhados aos objetivos do escritório, como qualquer outro. É uma forma de conquistar novos clientes e destacar os seus diferenciais em relação à concorrência, que pode envolver ações tradicionais on-line e off-line de publicidade, marketing digital ou de conteúdo.

O seu diferencial está em trazer todos os benefícios do marketing para um negócio levando em conta os limites de propaganda para advogados estabelecidos pela autoridade reguladora da profissão.

Quais as vantagens de uma estratégia de marketing jurídico?

  • Competitividade no mercado

Quem não é visto, não é lembrado. Para ser escolhido pelos seus futuros clientes, eles precisam saber que você existe e quais são os diferenciais do seu atendimento. Para mostrar os seus atrativos competitivos, nada melhor que um bom site e redes sociais com conteúdos bem feitos.

  • Boa reputação

Quando você tem uma identidade visual moderna e única, mas ao mesmo tempo sóbria e coerente, fica mais fácil transmitir credibilidade. O marketing de conteúdo também é uma ferramenta que ajuda a construir a sua reputação no mercado: profissionais que produzem conteúdos relevantes e de boa qualidade sobre o seu trabalho mostram que entendem do assunto.

  • Autoridade no meio jurídico

Já pensou em se tornar uma referência na sua área de atuação? Se você trabalha com direito tributário, por exemplo, que tal criar um blog no seu site para falar sobre o tema? Você pode publicar artigos que ajudam a solucionar as principais dúvidas dos seus clientes. Assim, quando eles pesquisarem sobre o assunto na internet, podem ficar te conhecendo e verão que você tem autoridade para tratar dessas questões.

  • Foco na sua profissão

Se o seu objetivo é se preocupar mais com o exercício da advocacia do que com quantos novos clientes estão interessados em você, vale investir em profissionais ou agências que fiquem por conta de um marketing jurídico sólido para que você não perca tempo pensando na aquisição e fidelização do seu público.

  • Fechar negócios mais qualificados

Outra vantagem do marketing jurídico feito com conteúdo é permitir que você selecione o público que quer atingir. Acertando na estratégia, você atrai o perfil de pessoas mais propenso a fechar negócio com você, ou seja, clientes que se encaixam na forma como você e seu escritório trabalham.

  • Acelerar o crescimento do escritório

Uma estratégia de marketing pode ser planejada e executada com foco nos objetivos específicos do seu escritório. Você quer conquistar mais clientes? Quer fidelizar os que já te conhecem? Quer se especializar em uma área jurídica? Quer virar referência? Seja qual for a sua meta, existe um plano de ações de marketing que pode acelerar esse processo.

Um bom marketing é sobre relacionamento com o público. Manter um bom relacionamento é a forma mais eficaz de ser lembrado e não só fidelizar clientes, mas aproximar a sua marca das pessoas e transformá-las em admiradoras do seu trabalho.

O que um advogado pode e não pode fazer para anunciar seu trabalho?

Em geral, não há limites para o que a criatividade e a internet são capazes de fazer em termos de publicidade. É por isso que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) optou por regulamentar a publicidade jurídica. A ideia é impedir anúncios que ferem a sobriedade que deve cercar a profissão. 

O que o Código de Ética e o Provimento 94/2000 dizem sobre a propaganda de advogados, em linhas gerais, é:

CED (Código de Ética e Disciplina). Capítulo IV – “Da Publicidade”. Art. 28. O advogado pode anunciar os seus serviços profissionais, individual ou coletivamente, com discrição e moderação, para finalidade exclusivamente informativa, vedada a divulgação em conjunto com outra atividade.

Provimento 94/2000 – “Dispõe sobre a publicidade, a propaganda e a informação da advocacia.” Art. 1º. É permitida a publicidade informativa do advogado e da sociedade de advogados, contanto que se limite a levar ao conhecimento do público em geral, ou da clientela, em particular, dados objetivos e verdadeiros a respeito dos serviços de advocacia que se propõe a prestar, observadas as normas do Código de Ética e Disciplina e as deste Provimento.

Com base nesses dois marcos reguladores, preparamos uma lista de práticas indicadas e proibidas para você não ter dúvidas na hora de apostar no marketing jurídico.

Advogados podem:

  • Adotar o marketing de conteúdo e oferecer conteúdo gratuito em site ou blog;
  • Participar e palestrar em eventos da área, e divulgar eventos em que for palestrar;
  • Fazer anúncios on-line, mas com moderação e de caráter meramente informativo, sem mercantilizar a profissão, contendo nome e registro na OAB dos advogados, número de registro da sociedade, especialidade, endereço de e-mail, local e horário de atendimento;
  • Fazer anúncios em veículos de comunicação, mas apenas veículos especializados na área jurídica, sendo proibido o anúncio de escritório de advocacia em revista não jurídica;
  • Utilizar logotipos e fotografias de divulgação, inclusive coloridos, mas coerentes com a sobriedade da advocacia;
  • Ter um site e utilizar redes sociais para divulgar a página do escritório ou o blog;
  • Divulgar prêmios, títulos e qualificações profissionais na imprensa, desde que o conteúdo tenha caráter noticioso;
  • Publicar anúncios em espaços para publicidade de advogados ou escritórios em página de revista jurídica na internet;
  • Participar de canais jurídicos, páginas de cadastros de profissionais jurídicos e de revistas jurídicas na internet;
  • Comparecer a eventos que premiem o advogado por seu trabalho e noticiar o evento.

Advogados NÃO podem:

  • Anunciar em rádio ou televisão;
  • Promover seus serviços em eventos que não estão relacionados à área jurídica;
  • Usar expressões publicitárias comuns de atividades comerciais, como “consulte-nos hoje mesmo!”;
  • Divulgar o preço dos seus serviços;
  • Oferecer consultas grátis;
  • Usar fotos de prédios de tribunais e outros órgãos públicos em sites ou propagandas;
  • Anunciar em catálogos empresariais ou em locais de utilização pública;
  • Ter placas de identificação ou logotipo com cores extravagantes ou uso de objetos estranhos ao direito;
  • Oferecer serviços de advogado prestados através de fax ou email;
  • Impossibilitar a identificação do profissional responsável pelo serviço;
  • Mencionar possíveis resultados de uma contratação dos seus serviços em anúncios de qualquer tipo;
  • Publicar anúncios ao lado de ofertas de serviços ou produtos de consumo;
  • Publicidade através de mensagens de celular, em eventos estranhos à área jurídica, em paredes de edifícios ou em objetos estranhos à advocacia, como chaveiros ou calendários;
  • Veicular conteúdo em informativo de associação de classe com contato dos advogados;
  • Utilizar nomes fantasia;
  • Anunciar a advocacia em conjunto com outra atividade.

Como começar a fazer marketing jurídico?

Tendo em vista o que pode ser feito dentro dos limites legais da propaganda na advocacia, o que é essencial em uma estratégia de marketing jurídico para começar a alavancar o seu escritório?

  1. Defina metas claras de curto, médio e longo prazo

Quais são os seus objetivos com o marketing jurídico? São eles que vão nortear cada ação dentro da sua estratégia.

2. Defina qual o seu público-alvo

Para saber como se comunicar e construir um relacionamento com o público, é preciso conhecê-los. Qual o perfil da maioria dos seus clientes atuais? Esse perfil é o mesmo que você quer continuar atraindo?

3. Escolha os canais para se relacionar com o público

Nem todo mundo faz o mesmo uso de todas as redes sociais. Você conhece os hábitos e comportamentos dos seus clientes na internet? Mapeie grupos e comunidades on-line em que o seu público está presente. Você precisa estar nesses ambientes também.

4. Mapeie as ações que vão compor a sua estratégia

De acordo com o perfil do seu público e com os seus objetivos, o que vai funcionar mais: criar conteúdos para redes sociais, para um blog? Para ambos? Divulgar o seu trabalho via e-mail ou site? Tenha planejadas, desde o início, todas as frentes de atuação da sua estratégia de marketing para facilitar a execução ao longo do processo.

5. Delimite sua área de atuação e suas atividades

Não fique bom em algo que você não quer continuar fazendo. Se você começou advogando em várias áreas, mas gostaria de poder focar em apenas uma especialidade, dê destaque no seu site e nas suas redes sociais para essa área de atuação. Direcione o marketing jurídico à principal atividade que você oferece ou quer oferecer, e aproveite para atrair os clientes que estão de acordo com o seu objetivo.

6. Perceba seu site como vitrine do seu escritório

O seu site precisa oferecer conteúdos relevantes para os seus clientes. Assim, o seu público vai acessar a página mesmo sem estar procurando ativamente um advogado e, quando perceber que precisa de um, vai pensar em você. Para começar, transmita o endereço do site aos seus clientes atuais e divulgue para novos clientes por meio de links patrocinados.

7. Crie um blog para reunir os principais conteúdos

Um blog dentro do seu site é a plataforma ideal para concentrar a produção de conteúdo da sua estratégia de marketing. Você pode publicar artigos e matérias relevantes para seus clientes, respondendo dúvidas reais do seu público-alvo. Outro tipo de publicação pode ser de estudos de casos, para exemplificar como o seu escritório resolve problemas.

Lembre-se de produzir conteúdos específicos para cada rede social, mas eles podem (e devem) ser relacionados aos conteúdos do seu blog. Outra coisa que não pode faltar é aplicar estratégias de SEO (Search Engine Optimization) nos seus conteúdos, para garantir que sites buscadores, como o Google, façam o seu conteúdo chegar até as pessoas.

Dicas para melhorar a fluidez e o SEO dos textos postados nos blogs empresariais

Uma das principais funções de um blog é aumentar o tráfego no site, ou seja, o número de usuários que acessa a página. Por isso, temos que estar atentos para as técnicas de SEO e de boa escrita, que ajudam a ampliar o alcance e o tempo de leitura dos textos.

  • Use ordem direta: facilita a compreensão imediata da ação proposta na frase e diminui erros de compreensão.
  • Prefira frases curtas: tente manter apenas uma ideia por frase. Use a pontuação para facilitar o entendimento do leitor. Quanto mais simples for o raciocínio necessário, mais precisa será a compreensão.
  • Opte por palavras objetivas: prefira sempre palavras simples, claras e de amplo entendimento. Um texto bem escrito não é o que tem o maior número de palavras ‘complicadas’ ou o que tenta fazer construções muito elaboradas e, sim, aquele que transmite a mensagem da forma mais direta possível.
  • Evite termos redundantes: o pleonasmo é um dos vícios de linguagem mais comuns. Expressões como: exportar para fora, elo de ligação, encarar de frente, metades iguais, há muito tempo atrás, conviver junto e acrescentar mais uma…são exemplos de repetições desnecessárias. A primeira palavra de cada uma delas já transmite, por si só, o significado que se pretende com esses termos.
  • Evite repetições: quando escrevemos um texto um pouco maior sobre um tema específico é comum o uso frequente de uma ou mais expressões. O Dicionário de Sinônimos (ou qualquer dicionário comum) ajuda a encontrar novas palavras.
  • Observe o tamanho dos títulos e do texto: as manchetes devem ser curtas, ter entre 50 e 68 caracteres. Títulos acima desse tamanho são cortados, automaticamente, pelos buscadores nos resultados das pesquisas. Escolha frases impactantes, que sejam atrativas e que definam bem o conteúdo do texto. Também vale levar em conta que os conteúdos que ocupam as melhores colocações nas pesquisas variam de 500 a 2.000 caracteres.
  • Tenha originalidade: não é o ideal, mas se for replicar conteúdo produzido por outra pessoa, além de informar a fonte, tente adicionar análises e comentários próprios. Conteúdos originais são melhores ranqueados nos buscadores.
  • Use hiperlinks: sempre que possível, inclua links internos (do próprio site) ou externos (de outros sites) ao longo do texto, desde que tenham a ver com o assunto.
  • Escreva para o seu cliente: essa é uma das dicas mais importantes de textos para advogados. Muitos profissionais têm a tendência de escrever para os seus pares em vez de escrever para o público-alvo. Mesmo que você trabalhe com advocacia empresarial e esteja pensando no advogado que comanda o departamento jurídico de uma empresa, não se esqueça do empresário (dono do negócio) e outros diretores que não são da área. Usar temos muito restritos ao mundo jurídico ou uma linguagem desconectada do português corrente não vai fazer você parecer mais inteligente, só vai dificultar a leitura do seu texto e diminuir o tempo de permanência na sua página.

É possível ter um plano de marketing completo e eficiente dentro das regulamentações da OAB. Se você quer contar com uma estratégia de marketing jurídico feita especialmente para você ou para seu escritório, procure a Calebe_. Nós ficamos por conta do relacionamento com o seu público, da aquisição de novos clientes e da produção de conteúdo com SEO. Assim, você pode ficar tranquilo para focar no exercício da advocacia.

Avatar
Por: Calebe_

#PRINCIPAIS CLIENTES

Onu
Fiat Chrysler Automobiles
CER Diamantina
Líder
Inhotim
Méliuz
Grupo BMG
Rede Tauá